Auditório Ânima na HSM Expo: discussões sobre o futuro do trabalho e do ensino

Em nosso segundo dia de atividades da HSM Expo 2018, tivemos a oportunidade de provocar uma série de reflexões sobre o futuro do trabalho e do ensino em um mundo de transformações constantes e cada vez mais velozes.

 

Glaucia Costa, Diretora de Consultoria na Deloitte para os mercados de infraestrutura e projetos de capital nas áreas de Inovação, Transformação Digital e Lean, e Professora de Escolas de Negócios na área de Inovação, abriu sua apresentação com o tema: ‘Inovação e Futuro do Trabalho: Como Sermos Relevantes em um Mundo Exponencial’. Em sua fala, ela destacou as mudanças sobre a concepção de trabalho e a necessidade de líderes atuais terem atenção e visão global, poder de síntese e pensamento complexo, também lembrou que, atualmente, muitos dados antes disponíveis apenas para governos, podem ser acessados por um grande número de pessoas, gerando um aumento exponencial de conhecimento, bem como produtos e serviços.

Diante desse novo cenário, ela reforçou que, apesar da quebra de paradigma e ascensão dessa nova realidade baseada em mais recursos e menos escassez, as Escolas de Negócios ainda ensinam para a competição e não para a interação dentro de um ecossistema de negócios. “A abertura para novas ideias é a chave para a inovação”, enfatizou.

Para se sustentar em um ambiente de atividades complexas, ela destacou a importância do autoconhecimento, da aceitação das novas realidades tecnológicas, interação com a máquina de forma amigável e não como uma rival. “É necessário oferecer autonomia e liberdade como motivadores dos times, e não apenas bônus em caso de cumprimento de metas”, disse.

 

Na segunda palestra do dia, Thiago Samu, Fundador e CEO da B-Abroad, que busca usar o empreendedorismo e a inovação para desenvolver e inserir talentos no mercado de trabalho, abordou a temática ‘Talentos: Conectando Realidades Brasileiras a Grandes Empresas’ e comentou sobre alguns grandes desafios da educação para motivar os estudantes e prepará-los para o futuro. Ele ressaltou a importância do jovem descobrir sua paixão, pensar de forma criativa, ser focado na solução de problemas, ter curiosidade, fazer as perguntas certas, ter persistência e muita imaginação.

Para finalizar o ciclo de palestras do dia, Eduardo Lyra nos inspirou com sua história de superação. Com a palestra Tamojunto: Transformando o País pela Educação,  ele contou sobre como viveu a infância numa favela, em Guarulhos, e viu o pai ingressar no crime. Com a inspiração da mãe, que sempre dizia: “Filho, não importa de onde você vem, mas para aonde vai”, se tornou escritor e fundador da Rede Gerando Falcões, que atende 1.800 famílias de comunidades por meio do esporte, cultura, qualificação profissional e renda. Tendo como sonho “mandar a favela para os museus”, ou seja, que habitações insalubres deixem de existir e fiquem apenas no passado, Lyra foi selecionado como um dos 15 jovens brasileiros que podem mudar o mundo, pelo Fórum Econômico Mundial e aparece na lista dos 30 jovens mais influentes do Brasil, com menos de 30 anos, da Forbes. Durante sua fala, Lyra reforçou a importância do autoconhecimento e da coragem para fazer os sonhos virarem realidade. “Sou a prova de que ‘pau que nasce torto’ não está sentenciado a morrer torto. Às vezes, jogamos a toalha cedo demais. Faço um pedido a você. Não jogue a toalha. Quem muda o Brasil somos nós, lutando todos os dias. Vai que dá”, finalizou, motivando os participantes a seguirem os próprios sonhos.