Ânima adota o ensino por competências em suas instituições

Iniciativa inédita no país coloca o aluno como protagonista do aprendizado por meio de trajetória personalizada, conteúdos flexíveis, projeto de vida de carreira e apoio de professores mentores.

 

Um em cada quatro empregos conhecidos hoje deverá ser substituído por softwares e robôs até 2025, segundo relatório do Fórum Econômico Mundial. Mais do que isso, 85% das profissões de 2030 serão novas, isto é, ainda não foram inventadas, de acordo com estudo da Dell Technologies, de julho de 2017.

 

A partir destas transformações constantes percebidas no mundo atual, muitos grupos de educação e instituições de ensino têm se atentado aos efeitos desta dinâmica e considerado mudanças na forma de ensinar. É o caso da Ânima Educação, que implementou neste ano, de forma pioneira, o ensino referenciado por competências.

 

A Ânima é a primeira organização de ensino superior do país a adotar esse modelo de forma ampla, oferecendo a quase 100 mil alunos, de 5 Estados brasileiros, uma educação alinhada às demandas do século 21. Estudantes da Universidade São Judas (SP), UniSociesc (SC e PR), Centro Universitário Una (MG) e Centro Universitário UniBH (MG) já estão em contato direto com esta forma de ensino-aprendizagem.

 

Com diversos exemplos de aplicação no ensino básico e resultados comprovados, o ensino referenciado por competências promove o encontro entre formação e mercado de trabalho, atribuindo sentido prático ao que é ensinado. “Nesse cenário dinâmico em que vivemos, apenas conhecer uma técnica ou ter especialização em uma atividade não serão mais diferenciais. O importante será a interseção entre conteúdos, habilidades e atitudes”, enfatiza Carolina Marra, Vice-Presidente Acadêmica da Ânima Educação.

 

Segundo ela, mais do que trabalhar conteúdos teóricos e técnicos com os alunos, mostrando o que eles podem fazer com esses conhecimentos e incentivá-los a colocá-los em prática, o modelo adotado atua fortemente no desenvolvimento de habilidades e competências socioemocionais. “Elas são a base para qualquer pessoa conquistar seus objetivos e realizar seus projetos de vida e carreira”, completa a educadora.

 

A aplicação destes conteúdos ocorre por meio de metodologias ativas em uma disciplina chamada Laboratório de Aprendizagem Integrada, também conhecida pela sigla LAI. O estudante Ezequiel Ribeiro, do curso de Farmácia da Una, em Belo Horizonte (MG), explica que as metodologias aplicadas nestas aulas proporcionam uma experiência teórico-prática que ele nunca tinha visto antes. “Com os grupos de discussão e mapas mentais, aprendi muito mais rápido do que apenas lendo os livros e assistindo aulas. Simplesmente amei”, diz o universitário.

 

Novo currículo é apoiado no tripé ‘personalização, vida e carreira e professores mentores’

O novo modelo aplicado pela Ânima se baseia em três pilares: 1) trajetória personalizada com conteúdos flexíveis; 2) foco no projeto de vida e na carreira dos estudantes; 3) docentes mentores. O primeiro diz respeito ao currículo modular, no qual cada estudante poderá escolher quais os projetos que desenvolverá e que tenham maior relação com o caminho de formação que deseja traçar, optando por aqueles que mais fazem sentido para sua carreira. O segundo, um eixo transversal a todo o currículo e a todos os cursos, trata do desenvolvimento de habilidades socioemocionais nos alunos – como resolução de problemas, criatividade e raciocínio lógico – e à carreira, com mentoria ao longo da formação e plataforma proprietária da Ânima com vagas de emprego e dicas de carreira. Já o terceiro pilar diz respeito ao professor, que assume uma função de mentor para guiar o aluno em metodologias ativas de aprendizagem e em toda sua jornada de desenvolvimento.

 

A estudante Alice Couto Bagdzius, do curso de Ciências Biológicas da Universidade São Judas, em São Paulo (SP), vem vivenciando o modelo e destaca que é uma proposta diferente de sala de aula que todos estão acostumados a ver. “Nestas disciplinas, o conteúdo teórico é disponibilizado no portal, por meio de aulas online, com vídeos e textos e uma apostila do conteúdo, enquanto na sala de aula temos espaço para a discussão dos temas abordados. O professor da plataforma on-line, mesmo estando no ambiente virtual, acompanha todo o meu trajeto, tira dúvidas e envia mensagens sobre o meu desenvolvimento na matéria, enquanto debates específicos e certos aprofundamentos do tema podem ser feitos com ele e os colegas em sala de aula”, detalha

 

A inovação implantada pela Ânima também possibilita a integração das instituições de ensino superior com outras que integram a organização educacional, como a HSM Educação Executiva e a EBRADI (Escola Brasileira de Direito), garantindo aos estudantes acesso a conteúdos especializados e de alta qualidade.

 

“Estamos colocando o estudante como protagonista de seu aprendizado, fornecendo ferramentas inovadoras de aprendizagem para que ele reflita sobre sua trajetória, trace a jornada que faz mais sentido para sua vida e carreira e esteja preparado para enfrentar um mundo e um mercado de trabalho em constante evolução e utilizar suas capacidades para resolver problemas da sociedade contemporânea”, diz Daniel Castanho, presidente da Ânima Educação.